‘Assassino do Twitter’ que guardava as cabeças de suas vítimas recebe cástigo cruel no Japão e sociedade comemora

Um homem que chegou a matar 9 pessoas e guardou suas cabeças logo após entrar em contato com elas através do Twitter foi condenado à morte, em um caso que deixou o Japão em choque. Takahiro Shiraishi, apelidado de “assassino do Twitter”, chegou a der detido no ano de 2017 após partes de corpos serem achadas em sua residência. Takahiro Shiraishi, de 30 anos de idade, chegou a assumir que matou suas vítimas e depois as esquartejou, quase todas ele conheceu através do Twitter.
A série de mortes acabou gerando um grande debate acerca do suicídio, um interesse em comum entre todas as vitimas, é muito comentado através das redes sociais. De acordo com a imprensa local, cerca de 400 pessoas surgiram para ver a sentença, dada nesta terça-feira dia 15, o tribunal entretanto só podia aceitar 16 pessoas. A pena de morte é amplamente apoiada no país.

Takahiro Shiraishi, utilizava o Twitter para atrair mulheres que tinham interesse em se suicidar para irem até sua residência. Ele falava que poderia auxilia-las a morrer e alguns casos ele falou que iria se matar junto com elas.Takahiro Shiraishi, chegou a estrangular e esquartejar 8 mulheres e mais 1 homem, todos tinham entre 15 e 26 anos de idade. Os crimes ocorreram entre agosto e outubro do ano em que foi preso. As mortes vieram à público pela primeira vez no Halloween de 2017, quando as autoridades encontraram partes dos corpos na residência de Takahiro Shiraishi,.
A imprensa local chegou a chamar o local de casa dos horrores logo após que os especialistas descobriram 9 cabeças junto a um grande número de ossos espalhados pela casa do rapaz.. Takahiro Shiraishi,de 27 anos, revelou que removeu as carnes dos corpos e tentou esconder o restante na areia de seu gato. Os advogados chegaram a tentar defender o jovem alegando que as pessoas já pretendiam tirar suas vidas, porém sem sucesso.

+  Defensora dos animais, tira calcinha para prender jumento em resgate e história viraliza


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário