Bebê morre afogado em banheira e polícia faz triste descoberta

Uma mãe americana, identificada como Anslie Nicole Brantley, 19, residente da cidade de Alamo, na Georgia (EUA), tinha o costume de tomar banho na banheira junto com o seu bebê. 
Mas da última vez as coisas foram longe demais, a mãe desesperada ligou para polícia para socorrer seu filho se afogando na banheira. 


Prontamente a polícia chegou para atender o caso, no local, os militares, efetuaram manobras de ressuscitação cardiopulmonar (RCP) e o levaram até um hospital próximo, porém o bebê não resistiu e morreu.

+  Casal cai em blitz e mulher descobre verdade assustadora que o marido escondia por mais de 12 anos

A avó da criança, mãe de Anslie, Kelli Gordon, de 36 anos, que residia junto com a filha e o neto, disse na delegacia que os dois estavam tomando banho no andar de cima da casa e que fez de tudo para tentar conversar com a filha várias vezes, pois, ela estava demorando muito no banheiro, mas apenas obteve “respostas murmuradas incompreensíveis”, então decidiu voltar a assistir televisão. 

+  Vaca invade hospital e coloca pacientes para correr; mulher acabou sendo pisoteada

“Cerca de 10 ou 20 minutos depois, Ansley começou a gritar. Me levantei e fui até lá, e a encontrei segurando a criança e dizendo que ela não estava respirando”, disse Kelli.
A avó conta ainda que lembrou que o bebê estava azul e muito frio. Então tentou ajudar a criança e “começou a tentar ressuscitá-la”, enquanto Anslie chorava, enrolada em uma toalha.

Para o espanto de todos, algo chocante e muito triste foi descoberto sobre as verdadeiras causas da morte da criança. Os detetives concluíram que a mãe havia usado drogas antes de entrar na banheira com seu filho, com isso acabou dormindo e deixando a criança se afogar. 

+  Morte de Carlos Alberto de Nóbrega é alvo de fake news 'Morri e Não me avisaram'

 A polícia encontrou a substância chamada metanfetamina na residência. Kelli, que tem cinco filhos além de Anslie, também foi para cadeia, acusada de porte de drogas. Já as crianças pequenas foram recolhidas e encaminhadas para os cuidados do Departamento de Serviços para a Família e Crianças da Geórgia.



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário